28 setembro, 2006

O MISTÉRIO DO AMOR



Deus Santo,
Jesus ensinou-nos que o amor é o único alicerce sobre o qual podemos construir uma vida verdadeiramente humana.
Foi por esta razão que ele resumiu todos os antigos mandamentos ao mandamento do amor (Jo 15, 12).

O amor é a dinâmica do dom e da gratuidade que tem como origem a pessoa e como meta a comunhão.
Por outras palavras, o amor só acontece quando a pessoa se dá, nunca quando se vende ou compra.

Jesus Cristo ensinou-nos que a pessoa se possui na medida em que se dá. Isto quer dizer que nos possuiremos tanto mais quanto mais nos dermos.

Isto é assim porque o amor se situa ao nível do ser, não do ter. Na verdade, o ter perde-se na medida em que o damos. Quem tem cem euros e dá setenta, fica apenas com trinta.
O ser, pelo contrário, cresce e fica tanto mais robusto quanto mais a pessoa se dá.

Na verdade, o ser é apenas o conjunto das realidades com densidade nível espiritual. Por outras palavras, ser é ser pessoa, pois apenas as pessoas têm uma dimensão espiritual e, por isso, definitiva e eterna.

O ser humano, por ser pessoa, só pode encontrar a sua plenitude na dimensão amorosa.
Podemos dizer que a plenitude é o estado da pessoa que, em contexto de comunhão amorosa, se encontra e possui de modo pleno. Isto é tão verdade para as pessoas humanas, como para as divinas ou quaisquer outras que possam existir.

Sem amor, a pessoa torna-se desumana. De facto, não basta o ser humano ser inteligente para ser uma pessoa humanizada.

Bem sabemos como muitos seres humanos extremamente inteligentes criaram armas assassinas e mataram milhões de pessoas em nome de ideologias desumanizantes.

Também não basta ter riquezas para o ser humano se tornar uma pessoa humanizada. Bem sabemos como há tantas pessoas com fortunas enormes e que não passam de seres desumanos, exploradores e insensíveis ao mundo dos mais pobres.

O amor é uma dinâmica de bem-querer que tem como origem a pessoa e como meta a comunhão.
À luz da Fé cristã, a Humanidade, como um todo, atinge a sua plenitude na Comunhão Universal do Reino de Deus.

Nada está acima do amor. Para Jesus, a autoridade ou é um serviço de amor ou torna-se um poder arbitrário e opressor.
A verdadeira autoridade à luz do Evangelho, é um serviço à fraternidade e solidariedade entre as pessoas (Mc 10, 43-45).

LOUVADO SEJAIS, DEUS SANTO, POIS VÓS SOIS TRÊS PESSOAS EM COMUNHÃO!

O amor é criador e fecundo. Gera pessoas livres e fecundas. De facto, a liberdade é a capacidade de a pessoa se relacionar amorosamente com os outros e interagir de modo criativo com as coisas e osacontecimentos.

O amor é inventivo. Sonha todos os dias com gestos e atitudes novas, a fim de facilitar a realização e felicidade dos outros.

Sem amor, a fé não passa de uma crença alienante com tendência a gerar fanatismo religioso e intolerante.
Sem amor, o ser humano não consegue atingir a maturidade pessoal e espiritual.

Deus Santo,
Obrigado porque imprimistes a dinâmica do amor no tecido das relações humanas, condição fundamental para nos humanizarmos.

De facto, assim como o amor dos outros possibilita a nossa realização, o nosso amor facilita a realização dos demais.
É isto a reciprocidade da comunhão amorosa.
Aleluia!

Com uma saudação muito amiga
Calmeiro Matias

1 comentário:

joao.cssr disse...

Obrigado Deus Santo, Familia de Amor e meu abba.
Obrigado por todas as mediações que se deixam inspirar pelo Teu Espírito Santo.
Obrigado por ter o previlégio de saborear tantos dons que me ofereces todos os dias. Sei que não sou digno de tantos mimos e atenções mas, também sei que me amas incondiçionalmente!

Bendito sejas Abba.