31 janeiro, 2007

Jesus, Rosto de Deus...

Às vezes, Jesus, parece que olhamos para o que já conhecemos desde sempre
mas vemos tudo de maneira nova!
A verdade é que estamos sempre a ser diferentes, não é?
Sempre os mesmos, mas sempre de um jeito novo… e é bom assim.

Apaixona-me o modo como anunciavas o Evangelho da Vida
nos caminhos, lugarejos e cidades da tua Palestina…

Para usar a língua do teu povo, dirigias-te sempre aos “anawim”.
“Anawim” significa pobres.
Mas não simplesmente naquele sentido de “pobreza” que hoje lhe damos…

“Anawim” significa literalmente os “curvados sob um peso”,
os “esmagados”, os que vivem “vergados”.
Os evangelistas falam disto de uma maneira muito bonita,
colocando tantas vezes na tua boca a expressão: “Levanta-te!”

Aos fariseus, doutores da lei e sacerdotes do Templo,
entretanto, uma das acusações que fazias era que “colocavam fardos pesados sobre os ombros das pessoas, nos quais eles próprios não tocavam nem com um dedo”…

Oh, Jesus, como é diferente o teu Evangelho
daqueles palavreados vazios que tantas vezes se dizem “em teu nome”…

“Evangelho” significa “Boa Notícia”.
E a verdade é que a Boa Notícia não é “boa” para toda a gente ao mesmo tempo e da mesma maneira!
Porque a Boa Notícia é para uns libertação e esperança, ao mesmo tempo que é para outros denúncia e conversão...

Ña tua Vida revela-se e realiza-se a Plenitude do Projecto Amoroso de Deus,
não de maneira abstracta, mas muito concreta:
nas tuas escolhas, atitudes, palavras…

E é claro na tua Vida que Deus, ao agir na nossa história,
tem sempre como destinatários e colaboradores
os mais pobres e marginalizados, os “anawim”.

É verdade que “Deus não faz distinção de pessoas”, como diz a escritura.
Isto significa que Deus não é arbitrário, não é injusto nem existem nele pré-juízos: “o seu Amor é como o Sol, que nasce sobre bons e maus”…

Mas também é verdade que ao longo de toda a história bíblica,
Deus sempre optou claramente pelo mundo dos oprimidos…

Desde o princípio, quando se apaixonou por um “bando de escravos” no Egipto,
em vez de se enamorar de uma grande nação…

Não há nada menos neutro que o Amor: o Amor toma partido, escolhe, decide-se…

Este jeito do Amor de Deus que escolhe sempre o mundo dos oprimidos para os Libertar
não é apenas uma “opção de Deus” entre outras possíveis…
Não é como se Deus se revelasse a Si próprio e, depois, escolhesse os “anawim” como destinatários privilegiados da Sua acção…

É exactamente nesta escolha e através desta escolha que Deus Se revela a nós!

Este jeito do Amor de Deus que toma partido pelos “anawim”
é o próprio caminho da revelação do Rosto de Deus.

Por isso em ti, Jesus, o Rosto de Deus se vê tão claro…

És, na verdade, o Rosto Humano do Amor de Deus,
a Revelação máxima dos traços do Rosto do Pai
a Realização perfeita dos traços do Rosto do Filho
e o Instrumento fiel da acção do Espírito Santo.

Sê para sempre bendito pela tua Fidelidade Salvadora!


Tenho a certeza de que este dia vai ser BOM!
Rui Santiago

1 comentário:

Rui Pedro disse...

Jesus de Nazaré:
reconheço-te vivo e presente na minha vida e na minha historia.
Quando procuro conhecer-te
através dos evangelhos,
descubro-te sempre de modo mais forte e exigente.
Se aceito o teu apelo a seguir-te,
cada vez te tornas mais exigente...
Obrigado Senhor, por te estar a descobrir de modo novo, e sério...
Ajuda-me, no Espirito Santo, a ser
fiél à missao que me confias e confiaras. Ajuda-me a continuar-te,
a ser a tua presença junto dos que mais precisam de ti, e do Pai.
Sei que contas comigo, e com tantos outros irmaos. Que eu te seja fiél, Jesus Ressuscitado.