22 novembro, 2006

O CONHECIMENTO DE DEUS




Deus Santo,

Hoje queria louvar-vos pela maneira bonita como vos destes a conhecer à Humanidade.


Vós não sois uma espécie de tabuada que devamos memorizar para depois repetir.

Na Bíblia, vós dissestes a Moisés que estais sempre a ser sem jamais vos repetirdes.

Eis a razão pela qual sois um Deus que nunca envelhece!


Recordo as palavras que dissetes a Moiés no alto da montanha quando lhe falastes a partir da sarça ardente:

"EU SOU AQUELE QUE SOU" (Ex 3, 14).


Moisés tirou a conclusão que vós sois um "EU SOU", isto é um Deus que está sempre a ser.

Isto quer dizer que vós sois um Deus se só existe no presente.


Na verdade, vós sois uma emergência permanente de três pessoas de perfeição infinita em total convergência de comunhão amorosa.

Nunca fostes um Deus no passado!


Por serdes um Deus de perfeição infinita, não vos revelastes de uma só vez.

Na verdade, o Homem não podia entender-vos de uma só vez.

Por isso o mistério da Santíssima Trindade só foi revelado na plenitude da Revelação.


Primeiro revelastes a vossa natureza de Deus único, dizendo aos profetas que, além de Vós, não há mais nenhum Deus.


Depois de vos terdes revelado como único Deus, já havia condições para o Homem entender o passo seguinte.


Foi então que Jesus nos ensinou que existe um só Deus, mas que este Deus não é um um sujeito sozinho, pois sois a plenitude da vida e, como Jesus nos disse, a vida só é vida plena em comunidade.

Pela Fé nós sabemos que a Divindade é três pessoas em relações de amor.


Com Jesus nós ficámos a compreender que vós não sois um Deus solidão, mas uma comunhão familiar de três pessoas.

Trindade Santa,
Como fomos criados à vossa imagem e semelhança, também nós estamos talhados para a comunhão.

Eis a razão pela qual a solidão nos asfixia!


Agora compreendemos o que a Bíblia quer dizer quando afirma que Deus é Amor (1 Jo 4, 7).

Também já compreendemos que, por serdes pessoas em relações, o conhecimento de Deus não é uma questão teórica.


Para vos conhecermos temos de nos relacionarmos convosco, Deus Santo, e com os irmãos.

Sucede o mesmo para acontecer conhecimento profundo entre as pessoas humanas.

Basta ver, por exemplo, como o conhecimento dos esposos não resulta de uma mera actividade mental, mas sim de uma cadeia de relações sérias de amor e comunhão.

A Primeira Carta de São João diz que o conhecimento de Deus só pode acontecer através do amor a Deuse aos irmãos.

Eis as suas palavras:
"Caríssimos, amemo-nos uns aos outros, pois o amor vem de Deus.
Quem não ama não pode conhecer a Deus, pois Deus é amor" (1 Jo 4,7).

O conhecimento de Deus, afinal, é sobretudo uma actividade do coração!


Em comunhão Convosco
Calmeiro Matias
















2 comentários:

Rui Pedro disse...

Meu Deus:
Tu constrois uma historia de Amor,
com aqueles que se apaixonam por Ti
eles começam um caminho de descoberta
de Ti, da realidade, deles proprios e dos seus irmaos.
Uma historia muitas vezes silenciosa, escondida,
mas profundamente transformante.
Ajuda-me, meu Deus, a deixar-me encontrar-me pelo teu Amor, de maneira nova,
para me poder entregar a Ti apaixonadamente.
Confio em Ti,sei que continuaras a construir comigo e com os meus irmaos a quem amo,
uma historia bonita, fecunda e evangelica.

Comunhão no Espírito disse...

obrigado, Rui Pedro
Tenho a certeza que Deus, ao chamar-te para as lides do Evangelho, além de te amar a ti já está amar oa milhares de pessoas que irão ser beneficiadas pela tu missão de evangelizador

Uma saudação muito amiga
Calmeiro Matias